terça-feira, 27 de setembro de 2011

Projeto de Graffiti do Comendador Fabrício Santos tem 100% de aprovação dos moradores do bairro Santo Antônio-Manhuaçu/MG.



FOTO: Comendador Fabrício Santos - Coordenador do Concurso de Graffiti de Manhuaçu

VIZINHOS DO JK PROMETEM ESFORÇO PARA MANTER O ESTÁDIO “GRAFITADO”
Matéria do Jornal Diário de Manhuaçu
2011-09-13

MANHUAÇU - Durante o 1º Concurso de Grafite da cidade, os competidores realizaram vários desenhos nos muros do Estádio JK. Os belos trabalhos enfeitaram a fachada do estádio e mudaram a “cara” da rua Faustino Amâncio. Uma das preocupações dos idealizadores do projeto e também dos moradores locais é quanto a preservação das obras que deixaram o bairro com uma vista mais bonita.

Para saber o que a comunidade do bairro Santo Antônio e da rua Faustino Amâncio achou dos trabalhos desenvolvidos pelos artistas e como ajudarão a preservá-los, a reportagem do DIÁRIO conversou com alguns moradores e comerciantes do local.
Segundo a auxiliar Vânia Maria Aniceto Soares, de 45 anos, os trabalhos modificaram a rua. “Esses desenhos deram outra visão para nossa rua. Nem parece que é aquele mesmo lugar, com aquele muro sujo, como estava antes. Melhorou muito”, relata.
Dona Vânia, que reside em frente ao muro do estádio, também afirma que irá ajudar a fiscalizar para que vândalos não destruam os trabalhos. “Pretendo ajudar como eu puder. Caso eu veja algum baderneiro estragando os desenhos, vou denunciar. Não podemos deixar que estraguem o trabalho de pessoas que se esforçaram tanto”, acrescenta.

O comerciante Marcelo Picada, que trabalha e reside na rua Faustino Amâncio, elogia a iniciativa. Segundo ele, apesar de algumas pessoas criticarem o trabalho, o projeto está de parabéns. “Achei muito legal essa iniciativa da Diretoria de Cultura. Os trabalhos ficaram muitos bons e todos que passam na rua sempre falam bem das obras. Os desenhos mudaram a nossa rua. Fiquei muito feliz de ver toda a população de Manhuaçu vindo prestigiar o evento. Infelizmente, ainda existem alguns poucos que criticam essa arte e acho que isso é falta de cultura. Mas a grande maioria só elogia”, enfatiza o morador.

Marcelo também afirma que todos os moradores da rua estão empenhados em cuidar dos grafites. “Com certeza vamos ajudar a fiscalizar para não deixar que as obras dos artistas sejam danificadas. Estudantes, por exemplo, sempre passam e rabiscam o muro com giz ou lápis, mas vamos ficar sempre de olho. Também acho que a Prefeitura devia fazer sua parte e melhorar a iluminação do muro, porque a noite fica um pouco escuro e não dá para ver bem os desenhos. Além disso, nós que somos moradores, cuidamos da nossa calçada. E acho que é da responsabilidade dos órgãos públicos cuidar das calçadas do JK. Elas ficam muito sujas e isso acaba desvalorizando os trabalhos”, pontua o comerciante.

O proprietário de uma gráfica localizada em frente ao muro do Estádio JK, Ulisses Fagundes, de 40 anos, afirma que os desenhos estão valorizando a rua e que a população local irá ajudar na fiscalização das obras. “Os desenhos ficaram muitos bons e vão valorizar a nossa rua. Trabalhos como esses chamam a atenção da população para cuidar do nosso bairro. Acho inclusive, que esses desenhos devem ser feitos em outros locais de Manhuaçu. Mas além de nós fazermos nossa parte a Prefeitura também deve ajudar a fiscalizar. Poderiam, por exemplo, colocar aqui câmeras de vigilância. Isso ajudaria a evitar tanto vandalismos, quanto roubos, que infelizmente, têm sido frequentes nessa área”, indaga.


O também morador da Faustino Amâncio e proprietário de uma escolhinha situada no local, senhor Nilo Sérgio Rezende, de 54 anos, conta que muitos moradores da rua não conheciam o grafite e temiam pelo o que seria realizado nos muros do estádio. Porém depois de verem as obras prontas, todos ficaram admirados com os trabalhos. Agora todos se empenham em ajudar a manter os desenhos. “Estávamos com um pouco de receio, pois não sabíamos bem o que era grafite. Mas depois que vimos os desenhos ficamos admirados. Os trabalhos são muito bonitos e valorizaram nossa rua. Vamos ficar sempre de olho para que não estraguem as obras”, enfatiza.

A pedagoga e moradora da rua, Thalita Vieira Rezende, de 27 anos, ressalta que os trabalhos ajudaram a enriquecer a cultura da cidade e a valorizar a arte do grafite, que ainda é discriminada. “Gostei muito do projeto. Acredito que isso enriqueceu a nossa cultura. Além de ter incentivado essa arte que ainda sofre discriminação. Antes, os muros do estádio estavam sujos e davam uma impressão de cidade mal cuidada. Agora todos passam e ficam observando os trabalhos que alegraram o nosso bairro. Temos de cuidar para não deixar que eles sejam danificados”, indaga.


O operador de caixa de um comércio também localizado na Faustino Amâncio, Diego Cipriano da Silva, de 22 anos, afirma que a o projeto pode trazer mais turistas para Manhuaçu. “Achei que os desenhos ficaram muito bonitos e valorizaram muito nossa rua. Percebemos que todas as pessoas que passam por aqui, param para ver e observar os grafites. Se trabalhos como esse fossem feitos em outros muros da cidade, Manhuaçu iria se valorizar e ganhar muito turistas”, relata.
Quanto aos cuidados com os desenhos, Diego enfatiza que cada um deve fazer sua parte. “Quem trabalha ou mora aqui em frente deve sempre estar atento para não deixar que estraguem as pinturas. O importante é que cada um faça sua parte para. Assim vamos conseguir cuidar desses trabalhos tão bonitos”, sugere o jovem.

Nenhum comentário: